sábado, 5 de dezembro de 2009

Watchmen


Watchmen, já consagrado como uma das obras mais importantes dos quadrinhos, um marco que levou este tipo de leitura ao patamar da literatura., é agora honrada com um ousado projeto que resultou (na minha opinião) na melhor adaptação de quadrinhos para o cinema já feita.

Alan Moore conseguiu escrever essa graphic novel de tal maneira a refletir as ansiedades contemporâneas da sociedade e a criticar o conceito estabelecido de super-herói.

Zack Snyder (diretor de '300') conseguiu o que já se chegou a considerar impossível: trazer Watchmen para as telas, e fazê-lo bem feito.

O enredo se desenvolve numa realidade alternativa onde super-heróis se tornaram corriqueiros, entretanto a população que temia os poderes excessivos destas pessoas levou a sociedade a repudiá-los, o que levou à instituição de uma lei que os proibiu de serem vigilantes transformando-os em procurados pela polícia.
Isto ocorre em paralelo à tensão entre as potências atômicas EUAxURSS, e o único que ser que mantém o planeta a salvo da destruição nuclear é o Dr. Manhatan, que têm poderes próximos dos de um deus. Estando ele ao lado dos EUA, faz com que a URSS não ataque pois ele seria capaz de manter os EUA a salvo e ainda varrer a URSS do mapa.
Essa situação perceptívelmente instável mantém os ânimos exaltados em todo o planeta.
Em meio à este já conturbado cenário um controverso ex-vigilante, o Comediante, é misteriosamente assassinado. O que faz o paranóico anti-herói Rorschach começar uma investigação sobre o que ele desconfia ser uma trama para destruir os ex-vigilantes mascarados. Investigação esta que enreda por caminhos inimaginados, levando a história a um espetacular e inesperado desfecho.

Watchmen, no texto original, consegue captar e transmitir o que queria: como seria o mundo real se vigilantes mascarados super-poderosos andassem pelas ruas, que mudanças isso traria pra estrutura fundamental da sociedade e que carga de responsabilidades esses vigilantes teriam. Watchmen, o filme, foi ousado ao tentar a adaptação de um clássico desse peso, e com uma carga de enredo tão complexa, mas surpreendentemente consegue transferir essa essência para a tela, adicionando ainda o movimento e o brilho do cinema tornando-o uma adaptação admirável para o público clássico, e uma obra de qualidade pra arrebanhar aqueles que ainda não tiveram contato com tal obra.





Não posso deixar de falar também da trilha sonora, que é um espetáculo a parte. Músicas excelentemente escolhidas e perfeitamente alocadas. Principalmente a introdução do filme com "Times They are Changin' " de Bob Dylan, que consegue inspirar um sentimento de saudosismo em quem assiste, fazendo-nos sentir como se nós mesmos tivéssemos vivido aqueles tempos. Veja no link abaixo:

Hoje há uma dupla Idéia em Potencial, leia a graphic novel e assista o filme. Os dois são fantásticos e capazes de mudar o seus conceitos.
-------------------------------------------------------------

"Once you realize what a joke everything is, being the Comedian is the only thing that makes sense. (Uma vez que você percebe que tudo é uma piada, ser o Comediante é a unica coisa que faz sentido) "
Edward Blake/The Comedian
-------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
visitantes